CategoriasBastidoresEmpreendedorismoTretas

Eu cometi um erro, abri uma oportunidade e fui impactada pela empatia dessas empreendedoras.

Duas coisas que com certeza você irá encontrar por aqui: Bastidores e Erros que já cometi. É engraçado porque na Internet todo mundo busca mostrar a sua melhor parte, seu melhor ângulo, seus melhores projetos e muitas vezes acabamos com a sensação de que a maioria dos profissionais são gigantes e perfeitos. E nós meros mortais fracassados. Você já se sentiu assim?

Eu acredito que viver é compartilhar as suas vulnerabilidades e que isso faz parte do processo de crescimento – sim, bem vibes Brené Brown. E é por isso que – sem medo – vou compartilhar aqui alguns episódios de medos, puro fracasso e tristezas.

Vamos?

Eu preciso contar essa história pra vocês.

Em abril de 2019 foi o meu último dia de CLT depois de 7 anos – Quem me acompanha na tour da internet já sabe da história (ou se você chegou agora pode ler aqui rapidamente), – acontece que eu sabia que iria ser bem difícil o processo de acordar um dia e simplesmente não ir mais para o lugar que frequentei longos 7 anos da minha vida. Então, eu decidi que logo no dia seguinte desse meu último dia de trabalho embarcaria para São Paulo pra participar do PUSH – um evento de empreendedorismo, marketing e carreira organizado pela Manu e a Catha do Steal The Look. Precisava muito respirar novos ares e, convenhamos, São Paulo é o melhor lugar quando se fala em TRABALHO.

[EDIT: Agora a Catha não faz mais parte do STL e fundou sua nova empresa ooo.agency.

É importante dizer que: Eu não conhecia a Manu. Eu não conhecia a Catha. Eu não conhecia ninguém do evento. Eu nunca tinha ido pra SP por conta própria, todas as viagens que eu tinha feito eram cobertas pela antiga empresa e sempre cheia dos meus outros amigos colaboradores – então eu sempre me sentia “em casa e segura” – o que agora não era o caso.

Comprei meu ingresso para o evento porque eu sabia que precisava de um UP, minha cabeça estava fervilhando, meu último dia na empresa a qual havia passado anos, crise de ansiedade, eu estava nervosa pra caramba, eu só queria esquecer que tinha tomado a decisão mais louca da minha vida. Largar meu emprego pra empreender na internet. Com conteúdo. Por mais que eu tivesse na minha cabeça uma ideia de caminho e estratégia, o medo era inevitável.

Todos diziam que eu era louca.
Que eu jamais conseguiria arranjar outro emprego que me pagasse o que aquele me pagava.
Que eu deveria “tirar umas férias”.
Que eu iria me arrepender.

Pois é.

Então, entre dores de barriga, suor frio no meio da noite e na hora do embarque deu tudo certo chegar até o evento.

Como eu queria gerar uma boa experiência pra minha audiência do Branding.lab eu fiz alguns vídeos como se estivesse fazendo a “cobertura do evento” e de fato, estava – por mim mesma.

Eu havia pagado e queria proporcionar pra minha audiência o melhor daquele conteúdo, eu não era imprensa, nem nada do tipo (só pra deixar bem claro). Era apenas alguém que queria gerar valor pros meus seguidores sobre o que estava aprendendo naquele dia.

Coloquei meu bom look, soltei o vídeo de “Branding.lab no #PUSH” e comecei a escrever nos stories os melhores insights, mostrar as ações das marcas, compartilhar trechos das palestras e fiz com que a audiência pudesse experimentar um pouco do que eu estava vivendo naquele lugar.

O evento seguia sendo maravilhoso, até que em algum momento do dia tive um insight enquanto fazia essa “cobertura”. 

Eu pensei: “E se eu anotar todos os insights e enviar pro email das pessoas? Acho que vai ficar bem mais completo!” 

Como “tem poder quem age!” eu imediatamente soltei a ideia nos stories e todo mundo começou a colocar seus emails. BINGO! A galera vai adorar esse material, era o que passava na minha cabeça.

Voltei pra casa cheia de brindes, conteúdo e muita vontade de fazer acontecer. Mesmo exausta da viagem assim que cheguei entrei em imersão 1 dia INTEIRO e madrugada pra gerar um e-book com mais de 65 páginas da edição do PUSH. Coloquei fotos, frases, tudo que eu tinha anotado. Exausta.

Tarde da noite, pensei: e se eu vender? Afinal, não existe almoço grátis.

Eu gastei alto pra viver isso e ficar aqui durante tanto tempo fazendo enquanto poderia estar produzindo meus materiais pagos, acho que vai ser justo 🙂

O que eu fiz no outro dia? Coloquei à venda. DOCS com os principais insights do PUSH! Post no feed, stories, e-mail para a base, telegram, todo mundo devidamente avisado e… A GALERA AMOU! <3 

E aí, nós chegamos no grande erro. Eu não comuniquei a ninguém do PUSH. Eu não falei com as meninas. Eu simplesmente tomei a decisão e fiz acontecer – se me permite acredito que nesse momento temos uma característica intrínseca dos empreendedores: ansiosos e querendo ver tudo rápido acontecer. Aqui eu cometia meu primeiro erro na fase abertura de oportunidades.

BUM. Algumas horas depois, o PUSH entra em contato comigo. Eu não poderia fazer aquilo usando o nome e o conteúdo do evento. A ficha começou a cair.

Como assim? No começo eu não conseguia enxergar. Mas, pouco tempo depois eu entendi: realmente, está tudo errado. Eu invadi o lugar do outro.

Hoje eu vejo que naquele momento, eu poderia ter sido massacrada. A abordagem poderia ter acabado com toda a minha autoestima, principalmente por estar vivendo um momento delicado. Eu poderia ter sido processada? Talvez.

Hoje me pergunto:

  • Eu poderia ter fechado quantas portas?
  • Eu poderia ter tido o ranço da Manu e da Catha pra sempre e jamais conseguir fazer uma parceria com elas? Sim, tudo isso poderia ter acontecido. Mas aí, são elas que vão dar a lição com uma segunda característica empreendedora:

VISÃO E EMPATIA.

Hoje eu vejo o quanto elas tiveram VISÃO e foram empáticas comigo. Não o velho blá-blá-blá de que “vamos nos ajudar meninas #girlpower”, mas aqui foi na prática. Eu estava usando a marca delas – sem ter comunicado.

Eu trabalho com Branding, eu sei o que é isso e só quem já viveu sabe como uma raiva fenomenal toma conta de você em casos como esses. Eu cometi um erro no mínimo grotesco, o que nos faz entender que SIM, não é o fato de trabalhar há muito tempo com uma coisa que vai te impedir de errar.

Mas, o que as meninas me mostraram é que não é na hora do discurso da internet, é na hora da prática que a gente vê.

Elas poderiam ter me tratado mal, me criticado, julgado ou até me processado, mas o que elas fizeram? 

Ouviram minha ideia. Proporam uma parceria. Nos unimos. Refizemos uma segunda edição do e-book com todo o material doado por elas – MUITO MELHOR – recolocamos com uma live exclusiva e mais outros bônus que eu jamais teria conseguido fazendo as coisas sozinha. Vendemos $.

Aí vem a outra lição desse artigo: CONVERSE com as pessoas. Entenda a Ideia. Veja a longo prazo. Conquiste parceiros para o futuro <3

Resumindo: Lançamos no evento de maio de 2019 e na última edição em que aconteceu em novembro de 2019 (tudo pré-covid) elas me convidaram pra ir oficialmente ao evento – fazer o material novamente da melhor forma, planejada, estruturada e com tudo pago.

Juntas. Compartilhando aprendizados e unindo forças pra levar o conteúdo pra mais pessoas. Divulgando bônus. Movimentando para que mais pessoas estivessem no evento tanto presencial como online. E ainda dei uma mentoria para um grupo de mulheres durante o evento.

Eu errei.

Eu abri uma oportunidade.

Eu encontrei empreendedoras empáticas.

Eu encontrei mulheres que me apoiaram.

Eu encontrei mulheres de visão.

Eu fiz novas parcerias e definitivamente, eu admiro cada uma delas. Desde a Manu, Catha e todas as meninas envolvidas na operação, na recepção, no amor, cuidado e carinho. Eu fui acolhida quando cometi um erro. Esse foi um dos melhores presentes que o empreendedorismo poderia ter me dado até agora! <3

Que possamos nos inspirar em empreendedores de verdade. Que incluem, conversam, escutam, abrem oportunidades para novos e estão sempre com visão de futuro onde todos ganham. E que possamos ser ousados pra fazer acontecer, pra desbravar, abrir portas, romper com o medo, trazer novos formatos e criar cada vez mais coisas novas.

“Errar faz parte, não esconda a sua arte”.

Este artigo também está no Linkedin.

E você? Já cometeu algum erro e pode compartilhar nos comentários? O que você acha de compartilhar vulnerabilidades na Internet?

Curtiu? Então compartilhe!

15 comentários sobre “Eu cometi um erro, abri uma oportunidade e fui impactada pela empatia dessas empreendedoras.”

  1. Caramba Ellen, isso me deixa mais tranquilo, ler sobre esse erro e como você lidou com ele e a sua experiência no processo. Vou pensar em escrever mais coisas assim pro Instagram e meu futuro blog 🥰

  2. Amiga, que DEMAIS saber disso! Eu comprei o material do Push quando você lançou, foi minha primeira compra do BL.

    Recentemente eu fui parceira do Push na divulgação de um e-book que eles fizeram em parceria com o Girls Revolution, e fiquei TÃO honrada com o convite, justamente porque conheci eles através de você.

    Tu é sensacional e toda a curadoria que faz pra gente é sem limites, inclusive apresentando pessoas e marcas <3

  3. Teu blog mal começou e já tá me dando forças e ideias pra alcançar tudo que eu quero como pessoa e como eupresa também hahahah obrigada por compartilhar tanto com a gente, somos sortudas <3

  4. Pronto, é oficial: tou viciada nos seus conteúdos aqui do blog. Que história boa de se ler, deu um quentinho no coração e, aí mesmo tempo, fiquei super me imaginando no seu lugar, dando ADEUS CLT, virei empresária, subindo no avião! Hahahahah! Agora é engraçado, mas imagino toda a coragem que vc teve que ter pra romper com o passado.

  5. Quanto jogo de cintura, quanta força… que Deus continue te abençoando, mostrar os erros nem sempre é bem visto, mas se faz necessário quando a missão é ajudar outras pessoas, primeiro a não comete-los e segundo que tudo bem se você se responsabilizar e correr atrás do prejuízo, parabéns pela sua jornada e obrigado por compartilhar.

  6. Meu pior defeito é ter medo de errar , quando erro parece coisa de outro mundo . Estou aprendendo a cada dia lidar com isso e buscar soluções para a mudança!

  7. Realmente, essa é a essência do empreendedorismo: se arriscar! E ser alguém que acredita na mudança e que pode aprender com os seus erros nada mais é do que o seu maior diferencial! Ficou uma parceria incrível e uma lição que faz parte dos seus valores inegociáves! ♡

  8. Que história maravilhosa!

    Eu lendo já me veio na mente o erro cometido, mas o final, o modo como elas trataram você, como lideram com tudo é realmente diferente e sério… extraordinário.

    Adorei por você ter compartilhado com a gente, Ellen!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicado por Ellen Medeiros

Atualmente sou fundadora e diretora criativa do Branding.lab. Crio conteúdo na internet há mais de 10 anos e sou apaixonada por branding, criação de conteúdo e construção de relacionamento online. Bio completa.